Jornal O Estado

ana raquel2

Nos anos 1980, a emancipação feminina ganhava cada vez mais destaque nas rodas de conversa em todo o país. Adolescente na ocasião e filha de uma mãe que sempre cultivou a independência, Ana Raquel Pinho é um retrato da sua época. Mesmo casando cedo e tendo que abandonar o curso de Economia porque precisou mudar de cidade, ela nunca quis levar uma vida na qual não se sentisse satisfeita, buscando formas de conciliar seus objetivos pessoais com as necessidades da família que estava formando. Hoje, 26 anos depois, ela garante que não se arrepende das escolhas que fez.

Aos 13 anos, Ana Raquel saiu de sua cidade natal, a pequena Araripina, no interior pernambucano, e se mudou para Recife para concluir os estudos. Aos 18 anos, quando estava cursando Economia, na Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), conheceu Osvaldino Antônio Martins de Pinho, que tinha ido de Bacabal, interior maranhense, também para estudar e pouco menos de dois anos depois eles já estavam casados e sua vida tomou rumos que ela não esperava.

Aos 20 anos, casada, Ana Raquel deixou Pernambuco, transferiu o curso de Economia para a Universidade Federal do Maranhão (UFMA), se mudou para Bacabal, onde morou por 10 anos, para acompanhar o marido. “Eu saí de uma realidade que era a de Recife, que naquela época era um grande polo no Nordeste, onde eu era estudante, eu não tinha preocupações de dona de casa, e fui para uma cidade cuja realidade era muito diferente. Foi um choque”, lembra.

Tendo conseguido transferir o curso para São Luís, Ana Raquel veio morar com uma cunhada que estudava Medicina na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), mas logo percebeu que àquela época a capital e o interior maranhense eram muito semelhantes e, após um ano e meio, decidiu voltar de vez para Bacabal. “Eu até cheguei a sentir que estava perdendo o que havia conquistado até então, trancando meu curso, mas entendi que a escolha de casar e morar em Bacabal tinha sido minha. Então, eu que buscasse minha realização”, conta.

Nesse período, Ana Raquel e o marido já tinham fundado uma construtora em sociedade,   a Lastro Engenharia, além de terem um comércio. De volta a Bacabal e com um filho, ela precisou escolher se continuava cuidando do comércio ou da construtora. Optou pela segunda. “Meu irmão Gustavo passou um tempo trabalhando na construtora, mas depois voltou para Pernambuco, então eu resolvi assumi os negócios, cuidar da parte gerencial e administrativa da empresa”, diz.

 

Qualificação – Sem vocação para a dependência, ela resolveu fazer cursos no Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) de Bacabal. “Eu percebi que a empresa exigia uma atenção muito grande não só na parte de visão de negócios, mas também gerencial e administrativa e sem conhecimento eu estaria refém na mão de várias pessoas. Então, eu fui em busca de ferramentas para poder contribuir com o crescimento dela”, comenta. E foi com essa mesma preocupação que anos mais tarde ela decidiu cursar Direito na Faculdade São Luís, formando-se em 2008.

Mas não foi só para os negócios que Ana Raquel foi buscar conhecimento. Sem qualquer experiência como dona de casa, ela também fez curso de culinária para se adaptar a sua nova vida. “Eu não sabia cozinhar, eu não sabia passar um café, eu nunca tive preocupações de dona de casa, mas eu sempre tive esse temperamento de não ser acomodada. Eu sempre fui muito curiosa, focada e comprometida e sempre consegui ter uma vida própria”, frisa.

Apesar de segura, Ana Raquel se incomodava com as críticas que recebia por não se dedicar exclusivamente à família, como era comum que as mulheres o fizessem naquela época, sobretudo em cidades pequenas do interior. “Não foi um processo tranquilo, mas hoje eu percebo como tudo realmente aconteceu e tenho a certeza que fiz certo e que estou colhendo os frutos. Eu poderia ter dedicado mais tempo a casa e filhos, é claro, mas tudo é uma escolha. O que eu não poderia era ficar em casa insatisfeita, pois acabaria não aproveitando o tempo que passava com eles”, afirma.

 ana raquel3Ana Raquel Pinho com o marido, Osvaldino Pinho, e os filhos do casal Luma, Beatriz e Dino de Tarso

Apoio – Além disso, ela sempre contou com o apoio de Osvaldino Pinho, que além de marido e sócio, sempre foi um grande companheiro. “Ele sempre respeitou minhas escolhas e não acho que deixei de fazer qualquer coisa que minhas amigas fizeram. Osvaldino foi meu primeiro namorado sério e em um ano de namoro a gente já decidiu casar. O fato de eu ter casado nova não me atrapalhou em nada. Eu olho para aquela menina de 20 anos e me pergunto como eu consegui fazer tudo que eu fiz e manter um relacionamento equilibrado que está dando certo há 26 anos”, comenta.

O companheirismo do casal foi importante também para que eles tomassem a decisão de vir morar em São Luís em 2002, em busca de novas oportunidades de negócios e de melhores condições de estudos para os três filhos. “O início foi difícil. A gente passou seis meses sem contrato, mas aos poucos fomos conquistando nosso espaço. Na verdade, eu considero o meu marido o grande empreendedor da construtora. Ele é que tem grande visão para os negócios, traz as propostas e a gente discute, se eu concordo, vamos em frente”, conta.

Ana Raquel é filha de um empresário com uma professora, mas não acredita que tenha influência paterna no seu lado empresarial. Na verdade, ela diz que quando analisa seu passado, percebe que sempre foi assim e que não se arrepende dos rumos que escolheu para sua vida. “Eu gosto desse dia a dia estressante, que às vezes muita gente reclama. Eu não saberia viver em uma calmaria, na vida de funcionário público, que era o que eu almejava quando comecei a cursar Economia”, reflete.

 

Empresária investe no lado social da empresa

Cada vez mais empresas investem na responsabilidade social para se tornar competitivas no mercado, mas também por entenderem que promover ações do tipo contribui para a formação de uma sociedade mais equilibrada. No caso de Ana Raquel Pinho, há ainda sua sensibilidade para as questões sociais, que para ela precisam de um grande investimento para evitar as disparidades que são vistas diariamente.

Preocupada em contribuir para um mundo mais justo, em 2013, Ana Raquel criou um programa chamado Começar de Novo na Lastro Engenharia para dar oportunidades de recolocar apenados no mercado de trabalho. O programa está sendo desenvolvido em Imperatriz, a 626 quilômetros de São Luís. “Até agora, só um quis dar problema. Infelizmente, mas nós resolvemos a situação sem maiores transtornos. Eu acho importante dar oportunidade para as pessoas em vez de só ficarmos no discurso de que a sociedade é assim porque o estado é omisso”, comenta.

Ana Raquel também investe na alfabetização e na promoção de práticas que melhores a saúde dos operários da empresa, por meio de parceiras com o Serviço Social da Indústria (Sesi). Em uma das últimas ações foram oferecidas consultas oftalmológicas para os trabalhadores. “Eu acredito que é importante ver a questão do trabalhador para além daquela perspectiva da relação patrão e empregado. Se a gente pode fazer um pouco mais que pagar os direitos trabalhistas, por que não?”, diz.

Para Ana Raquel, esse tipo de investimento também é importante para que o país possa se manter de forma mais equilibrada. “A força produtiva do país está no auge e lá na frente esse pessoal todo vai recorrer ao INSS, mas será se ele vai aguentar? Eu acho que a gente precisa investir hoje para evitar problemas futuros e o Brasil possa manter seu crescimento, por isso nossa preocupação, que é algo pessoal para mim”, afirma.

 

Raio-X

Nome: Ana Raquel Araújo Pinho

Idade: 47 anos

Filiação: Raimundo Pinho de Aquinho e Edméia Araújo Pinheiro

Naturalidade: Araripina (PE)

Estado civil: Casada há 26 anos com Osvaldino Antônio Martins de Pinho

Filhos: Dino de Tarso, Luma e Beatriz

Formação:  Direito (Faculdade São Luís – 2008)

Qualidade: Determinação e persistência

Defeito: ansiedade

Alegria: Muitas, pois conseguiu crescer em todas as áreas da vida

Tristeza: Os problemas sociais

Planos: Ter mais tempo para dedicar a si

 

 

Fonte: http://sinduscon-ma.com.br/site/?p=653